terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Vice-líder do PPS chama de absurda a tentativa de recriação da CPMF



O vice-líder do PPS na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), não concorda com a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A ideia de ressuscitar o imposto vem sendo propagada pelo governo federal e seria instituída sob um outro nome.

Apesar de poder ser restabelecido com uma nova roupagem, o impacto com a volta do imposto, segundo o parlamentar do PPS, é o mesmo: aumento de carga tibutária.

“É um absurdo: um país que tem desenho macroeconômico como o nosso, com uma carga tributária que se aproxima dos 38% do PIB, você ainda falar que, para resolver um problema de qualquer natureza, principalmente na área da saúde, tenha que se criar mais um agravante deste”, comentou.

Também conhecida como imposto do cheque, a CPMF foi derrubada pelo Congresso Nacional em 2007. Até hoje, o Palácio do Planalto não “engoliu” a derrota. Vez ou outra, o PT fala em recriação da contribuição que, enquanto vigorou, pouco fomentou o desenvolvimento a área da saúde nos munícipios brasileiros. Não por falta de dinheiro, mas por desvio de finalidade.

Euforia na base


Para Jordy, talvez a presidente Dilma Rousseff e aliados estejam propondo a volta da contribuição, movidos por uma espécie de empolgação, a partir da vitória do Executivo na votação do projeto do salário mínimo na Câmara dos Deputados, ocorrida na semana passada.  O parlamentar tem dúvidas se, numa eventual votação da CPMF, o resultado será parecido.“O governo pode estar embalado pela votação do salário mínimo para tentar incluir esta matéria na pauta, apesar de serem temas distintos. Mas não sei se esta folga apresentada no mínimo será traduzida necessariamente neste tipo de questão”, observou.O deputado disse ainda que “há outras formas” de priorizar o investimento em saúde, sem aumentar a carga tributária.


Fonte: Assessoria do parlamentar




segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

7 de abril: Dia Nacional de Paralisação de Médicos de Convênios

07 de abril vamos parar o atendimento de rotina e cirurgias eletivas em todo o Brasil. Decisão tomada na reunião da Comissão de Saúde Suplementar em conjunto com a Comissão de Consolidação da CBHPM e Sociedades de Especialidade. Vejam a matéria publicada no portal da FENAM. O objetivo é reforçar a luta pela contratualização das relações com as operadoras de planos de saúde, reajuste anual e data base e realização de Acordo Coletivo conforme garante a legislação trabalhista. Afinal, havemos de reconhecer que temos uma relação de trabalho perfeitamente estabelecida aós a EC 45. Na reunião realizada na sede da APM em São Paulo também definimos o dia 18 de outubro, quando se comemora o Dia do Médico, como a data base proposta para a elaboração dos acordos coletivos de trabalho, intermediados pelos sindicatos médicos.


O desafio é articular as Sociedades de Especialidade e capiularizar o movimento em todo o país. E vamos conseguir!


A participação dos colegas médicos "conectados" é fundamental. A FENAM, iniciamos o movimento no Facebook. Vamos disseminar no Twitter e nos Blogs. Este é uma ação "viral" a partir de cada colega. Participe!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Angiologistas e cirurgiões vasculares vão parar no dia 27/04

Reunidos em São Paulo os 24 presidentes das regionais da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) e o presidente da nacional decidiram parar o atendimento pelos planos de saúde em angiologia e cirurgia vascular no dia 27 de abril de 2011. A paralisação nacional é em defesa do médico, para exigir implantação plena da CBHPM reajuste dos honorários médicos, e do paciente, para garantir que suas cirurgias sejam autorizadas sem imbróglios quanto à liberação de órteses, próteses e materiais endovasculares.

Durante os meses de dezembro e janeiro, as regionais enviaram proposta implantação da CBHPM sem sucesso. Nenhum presidente de regional recebeu retorno dos convênios quanto às solicitações expressas nos ofícios enviados.

Ficou decidido ainda que a SBACV encaminhará à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) uma solicitação de inserção na tabela do TUSS (Terminologia Unificada em Saúde Suplementar) os valores em reais (R$), de acordo com os valores da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) e com reajuste anual. Os médicos querem que os planos adotem a CBHPM plena que, de acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), representa o valor mínimo de remuneração médica.

De acordo com o presidente da SBACV, Guilherme Pitta, os honorários médicos estão defasados em 156% nos últimos dez anos “Os planos reajustam seus valores, mas não repassam aos médicos. Apenas 11% dos gastos dos planos são com a classe médica. Queremos melhorar não só a remuneração, mas também nossa condição de trabalho. Muitas vezes o plano não aprova a realização de exames ou a liberação de materiais para cirurgias”, diz o presidente da SBACV. Segundo Pitta, o valor médio pago pelas operadoras por uma consulta no país hoje em dia é muito baixo de R$ 32 a 50 reias.

Em paralelo, os representantes em cada estado da SBACV vão aos respectivos Conselhos Regionais solicitar a edição de uma resolução como a do CRM de Brasília (nº 317/10) que garantiu aos médicos a implantação da CBHPM com banda positiva e negociações agora tratadas entre os planos e as entidades médicas representativas. O texto também afirma que o valor do honorário será o mesmo independente da acomodação do paciente (quarto ou enfermaria).

Fonte: Vithal Comunicação Integrada
terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Grupo de trabalho do Ministério da Saúde estudará remuneração médica

O Ministério da Saúde deve rever as formas de remuneração do médico. O secretário de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, aceitou a proposta das entidades médicas nacionais de criação de um grupo de trabalho para estudar a tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). A afirmação foi feita durante reunião realizada ontem, terça-feira (15), em Brasília.


O grupo abordará todas as questões relacionadas ao valor da remuneração médica, possíveis distorções, forma de pagamento do código 45 e 7, além de re-avaliar a forma contratual do Ministério aos hospitais.


Segundo o 2º vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) e coordenador da Comissão Nacional Pró-SUS, Aloísio Tibiriçá Miranda, é a primeira vez que o profissional da Medicina entra nesse debate. “Essa era uma demanda da pauta médica e da Pró-SUS. O médico não participou da construção da tabela SUS. Queremos estudar as distorções”.



Outros trabalhos – O secretário Helvécio Magalhães também foi convidado a indicar um representante do Ministério para a próxima reunião da Câmara Técnica de Urgências e Emergências do CFM. A entidade que debater o Projeto de Acolhimento e Classificação de Risco, a regulação do sistema e a questão salarial.


Participou também do início da reunião o diretor da Associação Médica Brasileira (AMB), Florentino Cardoso Filho.


Fonte: CFM

SIMEAM realiza o I Fórum de Cooperativismo de Especialidades Médicas

O evento, que será realizado no dia 26 de março, contará com representantes da classe médica de todo país. Os secretários Municipal e Estadual de Saúde também serão convidados.

A comissão organizadora do “I Fórum de Cooperativismo de Especialidades Médicas e suas Relações de Trabalho no Amazonas”, formada pelo Dr. Mário Vianna, presidente do Simeam, e pela secretária geral, Dra. Roselis Bitar e o diretor de Relações Sindicais, e Dr. Nilsomar Rodrigues, se reuniu na última sexta-feira (11), na sede do Sindicato para definir os detalhes do evento.

Ficou definido na reunião que um dos participantes do Fórum será o presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, Dr. Antônio Jordão,  que coordenará a mesa sobre a prestação de serviços e a carreira de Estado no serviço público de saúde do Amazonas, a busca do equilíbrio, e que terá como palestrantes  representantes do Ministério Público (MP), Susam e Semsa. “Eu estarei me reunindo com o Dr. Jordão esta semana, e farei o convite à ele pessoalmente”, informou o Dr. Mário Vianna.

Do Amazonas, um dos participantes será a Dra. Luciana Freire de Oliveira, da Coopanest, que falará sobre a Síndrome de Burnout, um distúrbio psíquico, de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental, muito comum entre a categoria médica, principalmente, pela excessiva carga  de trabalho, um dos problemas do atual sistema de cooperativas, em função da baixa remuneração praticada no Amazonas.

Outras participações aguardadas durante o Fórum será a dos secretários Municipal e Estadual de Saúde. Segundo a secretária geral do Simeam, é extremamente importante que as duas figuras máximas na saúde pública do Amazonas participem do evento. “Iremos fazer nossa parte e, portanto vamos convidá-los. Esperamos que eles possam participar, pois, acredito que o Fórum é de interesse de toda a classe médica” e do poder público, afirmou a Dra. Roselis Bitar.

Além dos profissionais já citados, participarão também do Fórum representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM), Federação Nacional dos Médicos (Fenam), da Academia de Medicina do Amazonas (AMA), Conselho Regional de Medicina (CRM) e Simeam.

Nesta semana, a comissão deverá se reunir novamente, para confirmar a participação dos convidados e definir as estratégias de divulgação do Fórum.

Sobre o Fórum

Para o presidente do Simeam, Dr. Mário Vianna, o Fórum será importante para discutir a situação dos mais de dois mil médicos, que trabalham no sistema de cooperativa no Amazonas. “Nos últimos anos temos sofrido com a desvalorização do nosso trabalho. Queremos buscar uma alternativa para essa situação, que se instalou aqui no Estado”, desabafou. O Dr. Mário Vianna explicou ainda, que, é de extrema importância a participação dos secretários de Saúde no evento, a fim de que se promova uma situação intermediária, que tenha médicos cooperados e estatutários, trabalhando juntos. “Hoje, 100% do atendimento de emergência no Estado é feito por médicos cooperados, que não tem qualquer vínculo ou segurança para o profissional”.

O I Fórum de Cooperativismo de Especialidades Médicas e suas Relações de Trabalho no Amazonas, acontecerá no dia 26 de março, no auditório do CRM/AM, e é voltado para todos os profissionais da classe médica.

FONTE: SIMEAM
segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Saúde da família de três dias

A seguinte oferta de emprego para médicos está circulando na internet:


"Temos 07 (sete) vagas para médicos para PSF e plantões em São Domingos do Capim, capital nacional do surf na pororoca, produtora da melhor farinha de mandioca do país, distante 2h de Belém, com estrada asfaltada de excelente qualidade cercada por lindas paisagens de fazendas,  sendo uma das mais belas estradas do estado. A cidade se derrama as margens do Rio Guamá o que oferece uma linda vista para quem chega ou sai da cidade. O custo de vida é bem accessível, com os preços baixos da carne e hortifruti. A população é pacífica e composta  em sua maioria por produtores rurais, gente simples e acolhedora. Aos interessados oferecemos o salário líquido de R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais) líquidos por três dias de trabalho semanais no PSF e R$ 900,00 (novecentos reais) líquidos por plantão de 24h durante a semana e R$ 1.000,00 (hum mil reais) líquidos nos finais de semana.  Se ficar no PSF e tirar dois plantões de 900,00 e dois de mil por mês os ganhos chegam a R$ 8.300,00 líquidos por mês.O pagamento ocorre sempre entre 15 e 20 de cada mês.
Contatos: (91) 9117-6060 (Secretária de Saúde) - (91)9146-2766.(Enfa. > Neri)"


Vejam a que ponto chegou a desfaçatez dos gestores da saúde no estado do Pará (será só aqui?). O cerne da estratégia saúde da família lancetado de morte com o "PSF de três dias". Ora, os demais dias não é Estratégia Saúde da Família. Afinal, a equipe não está completa. Dane-se os princípios da estratégia. Dane-se a população que não tem o médico todos os dias. A justificativa é que "os médicos não aceitam trabalhar no interior". Ora, nestas condições não aceitam mesmo.


Mas o que precisamos refletir é se vamos aceitar ferir de morte a principal estratégia de atenção primária que o movimento sanitário formulou e que os gestores insistem em não implementar. Desculpem, mas dinheiro tem. E muito. Sim, precisamos de mais recursos. OK. Entretanto, com o que temos dá para implementar atenção primária de qualidade. Espero que o Ministério da Saúde tome providências. Espero.


 
sábado, 12 de fevereiro de 2011

FUNERAL DO CARDIOLOGISTA

 

Um cardiologista muito famoso na cidade morreu.
Seu funeral foi muito pomposo e muitos de seus colegas médicos
compareceram.
Durante o velório, um enorme 'coração', rodeado de coroas de
flores, permaneceu atrás do caixão...
Após as últimas palavras do Padre, o coração se abriu e o
caixão entrou automaticamente no enorme coração, emocionando a todos
os presentes.
O coração se fechou, levando no seu interior o famoso médico
para SEMPRE.
Um dos presentes explodiu em gargalhada, causando surpresa e
indignação.
Questionado por que ria, ele explicou:

- Desculpem-me... Por favor, desculpem-me.... É que eu estava
pensando como seria meu funeral.... SOU GINECOLOGISTA!


NESSE  MOMENTO,  O  PROCTOLOGISTA DESMAIOU.
sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

II EACEM acontece em Teresina

[caption id="attachment_4094" align="alignleft" width="240" caption="Participantes do II EACEM em Teresina"][/caption]

Assessores de Comunicação e Dirigentes de Entidades Médicas estiveram reunidos nos dias 10 e 11/02, em Teresina, no II Encontro de Assessores, Secretários e Diretores de Comunicação de Entidades Médicas, para discutir as relações entre esses setores dentro dos sindicatos, conselhos e associações de Medicina. A programação do primeiro dia de palestras foi marcada por debates e troca de experiências.

O evento teve início com as boas vindas de Lúcia Santos, presidente do Sindicato dos Médicos do Piauí, entidade que realiza o encontro junto com a FENAM; do presidente do Conselho Regional de Medicina, Fernando Correia Lima, e do presidente da Associação Piauiense de Medicina, Felipe Pádua. Em seguida, o Secretário de Comunicação da FENAM, Waldir Cardoso, proferiu palestra intitulada "Diretores e Assessores - Uma relação de parceria". Ao falar sobre o tema, o médico enfatizou a importância do estreitamento dessas relações para a formação de uma imagem positiva das entidades para a sociedade como um todo.

De acordo com o secretário de Comunicação da FENAM os dirigentes das entidades possuem informações privilegiadas, ao transitarem todos os dias pelos hospitais, que podem ser transformadas em pautas. Aos jornalistas cabe a tarefa de provocar os dirigentes sob esse aspecto, criando matérias interessantes, e promover a comunicação não só com a imprensa, mas com os outros setores. Leia mais.


Fonte: FENAM

EUA aprovam lançamento de aplicativo que dá acesso a exames médicos

Um novo aplicativo que permite aos médicos o acesso a exames de imagens de seus pacientes por meio de seus celulares e tablets estará disponível nos Estados Unidos a partir desta semana.

O aplicativo, chamado Mobile MIM, foi aprovado nos Estados Unidos pela Food and Drug Administration (FDA).

O programa será vendido em 14 idiomas nas lojas da Apple em 34 países da Europa, Ásia, América Latina e Oriente Médio.

O aplicativo, que por enquanto só pode ser instalado no iPhone e iPad fabricados pela Apple, serve para a observação de imagens captadas por tomografia computadorizada, ressonância magnética (MRI) e tecnologias de medicina nuclear como a tomografia por emissão de pósitrons (PET).

A FDA esclareceu que esta ferramenta "não tem o propósito de substituir os equipamentos convencionais, e seu uso se indica somente quando não há acesso a eles".

A Mobile MIM comprime as imagens tomadas em um hospital ou consultório médico para sua transferência segura à rede e as envia ao telefone celular ou tablet apropriado.

O médico que receber as imagens pode medir distâncias e valores de intensidade, e pode ler as anotações e regiões de interesse, indicou a FDA.

Os níveis de luminosidade e outros aspectos da imagem podem variar entre diferentes telefones e tablets embora sejam do mesmo modelo.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Movimentos sociais lutam contra a terceirização da saúde

Leia o documento assinado por mais de 200 entidades e encaminhado ao STF:

 

"Os movimentos sociais, sindicatos, trabalhadores/as públicos e conselheiros/as das diversas áreas sociais, estudantes, professores e sociedade em geral vêm ao Supremo Tribunal Federal solicitar que julgue PROCEDENTE a Ação Direta de Inconstitucionalidade 1.923/98, contra a Lei 9.637/98, que “Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências”, e contra a alteração do inciso XXIV do artigo 24 da Lei 8.666/93, com redação dada pelo artigo 1º da lei 9.648/98, que permite a dispensa de licitação para a celebração de contratos de prestação de serviços com as chamadas “Organizações Sociais”.


Consideramos estas Leis inconstitucionais, por violação frontal ao princípio da Moralidade na Administração Pública e por tentarem contornar, por vias transversas, todos os sistemas de fiscalização e controle interno e externo dos gastos públicos, além de se constituírem em uma afronta direta aos direitos sociais e trabalhistas historicamente conquistados pelos trabalhadores, abrindo sérios precedentes para desvios do erário público, a exemplo do que já vem sendo investigado pelos Ministérios Públicos nos Estados em que esta Lei foi implantada, conforme escândalos fartamente divulgados em alguns meios de comunicação.


Expressamos nossa inconformidade e insatisfação com a Lei 9.637/98, visto que esta Lei promove:


1) A terceirização das atividades-fim do Estado como as relacionadas à Saúde, Ensino, Assistência Social, entre outras, o que é inconstitucional e ilegal. A Constituição e a legislação pertinente permitem que o Poder Público apenas con­trate instituições privadas para prestar atividades-meio, como limpeza, vigilância, contabilidade, ou alguns determinados serviços técnico-especializados na área da saúde como a realização de exames médicos, consultas etc., com o caráter de complementaridade, conforme Art. 24 da 8.080/90; nesses casos, estará transferindo apenas a execução material de determinadas atividades e não a gestão, patrimônio, equipamentos e pessoal.


 2) A desresponsabilização do Estado na efetivação dos direitos sociais. A Constituição Federal assegura os direitos sociais como dever do Estado, o que impede o Estado de se desresponsabilizar da prestação destes serviços, não podendo repassá-los para entidades privadas. Além dos direitos garantidos no Art. 6º pela Constituição, ela estabelece, no Art. 196, a saúde como “direito de todos e dever do Estado”; e, no Art. 205, a Educação; nos Arts. 203 e 204, garante a Assistência Social a quem dela necessitar. Assim, os serviços destas áreas não podem ser terceirizados para entidades privadas.


3) A eliminação de concurso público para contratação de pessoal, abrindo um precedente para o clientelismo nesta contratação, bem como para a precarização do trabalho frente à flexibilização dos vínculos, além da formação de “currais eleitorais” em Estados e Municípios diversos do país, suprimindo o caráter democrático do concurso público e a meritocracia.


4) A dispensa de licitação garantida às OSs para compra de material e cessão de prédios, a qual é ilegal e abre precedentes para o desvio do erário público, a exemplo do que já vem sendo investigado pelo Ministério Público nos Estados em que esse tipo de gestão já foi instalado. Suprime-se, dessa maneira, a função necessária e constitucional dos controles interno e externo, a cargo dos Tribunais de Contas para fiscalizar esses gastos, em última análise realizados através de crédito público “camuflado” em dinheiro privado.


Além do descrito, a Lei 9.637/98 não contempla os controles próprios do regular funciona­mento da coisa pública e não se prevê sequer o Controle Social; desconsidera a deliberação do Conselho Nacional de Saúde nº 001, de 10 de março de 2005, contrária “à terceirização da gerência e da gestão de serviços e de pessoal do setor saúde, assim como, da administração gerenciada de ações e serviços, a exemplo das Organizações Sociais (OS).


  A partir do exposto, reiteramos a solicitação que os Excelentíssimos Ministros do Supremo Tribunal julguem PROCEDENTE a ADIN 1.923. Acompanharemos e divulgaremos para o conjunto da sociedade brasileira o resultado do julgamento, tornando público o compromisso dessa nobre instituição com a defesa de interesses privados ou com a defesa do interesse público primário, na forma da Constituição. "




sábado, 5 de fevereiro de 2011

Portugal de sentidos - Luã Gabriel

Portugal de sentidos
(Luã Gabriel. Portugal, inverno de 2011)

Quantos mares andei
a te procurar.
...E esta Florbela
para cheirar,
esta Pessoa olhar,
tua Amália auscultar e
neste Porto me deliciar.

Saudades aqui nasceu
e de certo de ti ficará,
nesta Boaventura em sonhar.

Sorte a minha
ter outra primavera...
E neste próximo abril
sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Concurso Revista FENAM: começa neste sábado a votação popular dos dez finalistas

A Federação Nacional dos Médicos divulga neste sábado (5) os dez finalistas do concurso que escolherá o novo nome da Revista da FENAM. Os selecionados para a final pela comissão julgadora, agora passarão por uma votação popular na internet.


Iniciado em novembro, o concurso recebeu mais de 180 sugestões.
A votação vai até o dia 20 de fevereiro e os três nomes mais votados passarão novamente pela comissão e pela diretoria da entidade, para que, finalmente, o vencedor seja divulgado.

O vencedor receberá como prêmio um I Phone, versão 4, da Apple, que será entregue durante evento festivo, em Brasília. O resultado final do concurso estará disponível no site da FENAM a partir do dia 1 de março.

Participe da votação: AQUI

Fonte: FENAM

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

COMSU: Pediatras são exemplo de mobilização

Depois do movimento vitorioso dos pediatras do Distrito Federal, em 2009,quando romperam contratos e boicotaram os planos de saúde -que pagavam, em média, R$ 48 por consulta e hoje pagam entre R$65,00 e R$ 88,00-, seguidos pelos pediatras de Paraná e Espírito Santo, em processo de negociação, o movimento chega agora ao Nordeste. Os pediatras de Sergipe suspenderam, em 24 de janeiro, o atendimento aos usuários de 14 planos de saúde do Estado devido ao valor irrisório pago pelas operadoras,entre R$ 30 e R$ 38 a consulta. A paralisação teve início porque as operadoras não deram respostas aos pediatras, que reivindicam o mínimo de R$60 a R$ 80 por consulta.


Para discutir o impasse, no dia 28 de janeiro, representantes da Sociedade Sergipana de Pediatria, do Sindicato dos Médicos,do Conselho Regional de Medicina e da Sociedade Médica de Sergipe reuniram-se com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e com a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon). A presidente da Sociedade Sergipana de Pediatria, Glória Tereza Lopes, está confiante. "Tivemos grande adesão dos colegas pois nossa proposta foi encaminhada aos planos e, como não responderam, nosso entendimento foi de que estavam quebrando os contratos. Além da união da nossas entidades, foi bom trazer a ANS e Procon, pois tudo isso agiliza a solução."

Até o fim das negociações o movimento recomenda aos usuários dos planos de saúde que ainda não negociaram com os pediatras, que paguem pelas consultas e solicitem recibos para que seja possível o ressarcimento.

Leia mais no Boletim 08 da COMSU: Boletim COMSU 8

FENAM e Simepi promovem Encontro de Assessores e Diretores de Comunicação

Nos próximos dias 10 e 11 de fevereiro, a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato dos Médicos do Piauí promovem o II Encontro Nacional de Assessores, Secretários e Diretores de Comunicação de Entidades Médicas. O evento será realizado no auditório do Simepi, em Teresina.


"Este ano teremos uma integração maior entre diretores e assessores, porque ambos participarão das mesmas discussões. Essa troca de ideias e experiências é fundamental para que todos na entidade caminhem juntos e tenham o mesmo discurso", afirma a presidente do Sindicato dos Médicos do Piauí, Lúcia Santos.

Outra novidade do evento é a realização de um workshop sobre Twitter, Facebook e Orkut, a ser ministrado pelo publicitário e analista de redes sociais Itallo Holanda. A programação está concluída, faltando apenas a confirmação de alguns palestrantes.

Para o secretário de Comunicação da Fenam, Waldir Cardoso, é pela comunicação que as entidades mantêm os médicos e a sociedade informados das atividades, lutas e iniciativas realizadas no cotidiano da atividade sindical. "Nossa expectativa é de que possamos melhorar a compreensão as dificuldades do jornalista, o relacionamento com a mídia e a inserção nas novas mídias", destaca.

O Simepi solicita que os interessados em participar do evento confirmem presença o mais breve possível através dos emails denisegui9@hotmail.com e sindicatodosmedicos@gmail.com ou pelos telefones (21) 2240-6739 (período da tarde, com Denise Teixeira, na FENAM) e (86) 3221-5624 (Simepi). As duas entidades também se colocam à disposição para as reservas em hotéis dos participantes de outros estados mediante solicitação prévia.

Fonte: FENAM

Amazonas: sindicato contesta carga horária dos médicos do IML

A falta de informações sobre a carga horária no concurso público que selecionou médicos para o Instituto Médico Legal de Manaus levou o Sindicato dos Médicos do Amazonas a lançar um movimento reivindicatório questionando, além da carga horária que os médicos do IML têm de cumprir, as más condições de trabalho e a falta de diretoria técnica no Instituto.

Em entrevista à Rádio FENAM, o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Vianna, disse que o edital do concurso não informava a carga horária que os médicos deveriam cumprir. Segundo ele, os 35 médicos convocados para o trabalho se surpreenderam quando souberam que teriam de cumprir carga horária de policial: 24h X 72 horas. Por conta desse e de outros problemas no Instituto Médico Legal, o sindicato protocolou na Delegacia Geral da Polícia Civil nesta quarta-feira, 02/02, um documento contendo as reivindicações dos médicos do IML.

Fonte: FENAM
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

stats

redes

    

Blog do médico paraense Waldir Cardoso dedicado a discutir sobre saúde, política e cidadania. Seja bem vindo/a

Vídeos

Vídeos

Waldir e Saúde no Brasil vídeo

Vídeos

Arquivo

Arquivo

Busca

Busca
Tecnologia do Blogger.

Categorias

Categorias

Estatísticas

Estatísticas

Contador

Contador de visitas

clustrmaps