terça-feira, 22 de novembro de 2011

MENSAGEM OFICIAL DO GOVERNADOR SIMÃO JATENE SOBRE A DIVISÃO DO ESTADO DO PARÁ

Minhas amigas e meus amigos. 

O Pará vive o maior desafio da sua história recente. No plebiscito do próximo dia 11 de dezembro, cada paraense, cada homem e cada mulher, terá a responsabilidade de dizer se quer o Pará unido ou dividido em três pedaços.

Como todo paraense, também estou preocupado com a votação, mas como governador tenho a obrigação, a responsabilidade, de estar particularmente atento ao que ocorrerá no dia seguinte ao plebiscito. Quais as consequências reais e os desdobramentos dessa disputa.

Todos sabemos que a questão da divisão do nosso Estado não é coisa nova, à semelhança de vários projetos de divisão territorial existentes no Congresso Nacional, envolvendo estados de grandes e pequenas extensões, como Minas Gerais e Piauí, estados muito ricos e muito pobres, como São Paulo e Maranhão, entre outros. Entretanto, não se pode negar que, até o ano passado, esse assunto, em maior ou menor intensidade, se constituía discurso de alguns políticos nas suas campanhas eleitorais e se esgotava no pós-eleição; portanto, com consequências bem diferentes do que pode ocorrer agora, quando ameaça virar elemento de conflito entre irmãos.

Paraenses, ainda que eu deseje o contrário, tudo leva a crer que, seja qual for o resultado do plebiscito, o dia seguinte será marcado por mágoas, ressentimentos e desconfianças que podem se tornar duradouras, considerando que, diferentemente das eleições regulares que se renovam a cada quatro anos, o plebiscito terá caráter muito mais efetivo e permanente.

E aí cabe perguntar: quem vai cuidar das feridas? E dos ressentimentos? Como evitar que eles se enraízem nos corações e mentes da nossa gente?

A insegurança é maior quando sabemos que o projeto de divisão em pauta não foi fruto de qualquer estudo prévio que procurasse definir o perfil de cada novo Estado. Quais os municípios que deveriam integrar esse ou aquele Estado para que se tivesse um melhor equilíbrio econômico, social e político, para que o povo fosse efetivamente beneficiado. Não, a população em todo esse processo, lamentavelmente, não teve seus interesses considerados. Foi apenas 'um detalhe'. 'Detalhe' que, agora, tem a responsabilidade de decidir diante de um 'prato feito', sem poder mudar mais nada.

Até que seja provado o contrário, os parcos estudos existentes não fundamentam uma proposta de divisão, quando muito tentam justificar, ou não, uma divisão baseada num elevado grau de aleatoriedade e subjetividade. E é neste cenário que, como governador, tenho que mediar interesses para que os problemas não se agravem.

Se o 'não' for vitorioso, teremos que buscar, todos juntos, cada vez mais, aproximar as regiões e fortalecer o que nos une, implantando novas formas de gestão territorial. Por outro lado, se for o contrário, entre o plebiscito e a implantação de um novo Estado, como ficará a governança do todo que na prática ainda se manterá unido? Quanto tempo levará a efetiva implantação do novo Estado, uma vez que para tal tem que ser ouvida a Assembléia Legislativa, o Congresso Nacional e até a Presidência da República?

Amigas e amigos, o governador, independentemente da sua vontade, tem a responsabilidade constitucional e institucional e o dever ético de conduzir essa questão tão delicada, alertando e tratando das rugas, buscando evitar que as cicatrizes se eternizem.

Os estados até hoje criados o foram em condições bem diferentes das atuais, não colocando em confronto as pessoas, não onerando ainda mais as populações locais e, nesse sentido, nos ajudam muito pouco sobre a experiência do dia seguinte que terá que ser vivida por nós, em certo sentido cobaias de um processo novo e diferente.

Por tudo isso, é preciso ter cuidado ao tratar dessa questão. A ética da responsabilidade me impõe deveres dos quais não posso me afastar. Entretanto, se a responsabilidade me aconselha isenção, do mesmo modo, até por amor à nossa gente, me exige que alerte a todos sobre alguns riscos.

Sempre digo que o voto é tanto mais expressão democrática quanto mais as pessoas souberem sobre o que estão votando; caso contrário, ele pode se transformar no simples aval popular para interesses de alguns, chancela da vontade de grupos específicos.

Assim, não posso deixar de registrar a minha preocupação diante dos rumos da campanha, particularmente na televisão, onde salta aos olhos que o 'vale tudo' está em marcha. Falo, exemplificando, do esforço de tentarem destruir a autoestima do paraense e mostrar, como alternativa, que a simples divisão, automaticamente, trará ganhos financeiros aos três estados.

Ora, com todo o respeito que possa ter pelos que fazem tal afirmação, ela não tem qualquer fundamento técnico, como pretendem seus defensores. Pelo contrário. Se quanto à elevação das despesas a criação de novos estados não deixa dúvidas, quanto às receitas, pelo menos atualmente, qualquer prognóstico se faz sob enorme incerteza. Especialmente nesse momento que as transferências federais, e em especial os critérios de distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE), até por decisão judicial, devem ser reformulados até o final de 2012.

Minhas amigas e meus amigos, eu nunca vi alguém de Belém dizendo que não gosta dos irmãos de Santarém; do mesmo modo, jamais vi alguém de Santarém dizendo que odiava o povo de Marabá. Não, felizmente isso não faz parte da nossa história.

Temos dificuldades, sim, mas quem não as tem? Historicamente, fomos usurpados de nossas riquezas sem que parte da classe política fosse capaz de se unir na defesa das mesmas. Por que jamais nos mobilizamos, efetivamente, para fazer com que a República compensasse o nosso Estado pela fantástica contribuição que sempre deu, e continua dando, para o desenvolvimento brasileiro? Quem tiver boas propostas que as apresente, mas não posso aceitar que, na tentativa de impor seus interesses, qualquer grupo fantasie a realidade e recorra a meias-verdades, levando a nossa população, sobretudo a mais simples, independente da região em que vive, a equívoco e frustração. Não posso aceitar que a luta pela divisão do território se transforme em divisão do nosso povo.

A Europa está cheia de exemplos em que as lutas religiosas, étnicas, deixaram feridas que não cicatrizam. Não podemos permitir que isso aconteça conosco. O Pará não merece isso. A nossa gente não merece.

No peito de cada paraense, esteja ele em Belém, Santarém, Marabá, Altamira, São Felix do Xingu, Chaves, ou em qualquer lugar, bate um coração generoso e vencedor, sempre aberto e disponível a ajudar a todos, até com as nossas riquezas e belezas. Por isso, basta que nos determinemos, individual e sobretudo coletivamente, que construiremos uma sociedade mais feliz.

Que Deus nos dê sabedoria e ilumine a todos.



Simão Jatene

Governador do Estado do Pará


51 comentários:

  1. Madacilina de Melo Teixeira22 de novembro de 2011 18:11

    Este pronunciamento deveria ser exposto para todos: paraenses e não paraenses que vivem nas terras do Pará, é a visão de um paraense que hoje está no governo, mas que não deixou de ser paraense. Obrigada Governador

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela lucidez Governador. O momento é de união. E não de separação.
    Unidos seremos muito mais; poderemos muito mais.
    Este pronunciamento deveria estar em todas as midias do País.

    ResponderExcluir
  3. Lindo Pronunciamento ! Independente de qualquer resultado, ninguém deixará de ser paraense.
    Que Deus abençoe a todos !

    ResponderExcluir
  4. Nada mais sensato, governador. Olhar para o interior, uma sugestão para sua administração pós- plebiscito (não vai passar a divisão)

    ResponderExcluir
  5. Augusto Domingues das Neves24 de novembro de 2011 11:54

    Se bem que as palavras do Governador do Estado do Pará, somente induzam ser ele contrário à divisão territorial, acredito ser honesto e, até moralmente obrigatório, que os políticos favoráveis ao fatiamento, em gesto raro de grandeza, renunciassem aos seus mandatos, bem como secretários de estado assim o fizessem, na medida em que juraram defender a nossa Constituição Estadual em que, (me mostrem para que eu possa me retratar), permita ser colocada em jogo os nossos domínios e as nossas riquezas minerais.
    Permitir tal descalabro é permitir, em tese, que num futuro próximo, venham também a propor plebiscitos para repartir nossas propriedades particulares.
    É por isso que meu voto é N Ã O!

    ResponderExcluir
  6. Eu sou uma admiradora da pessoa q é p governador Jatene, e seu pronunciamento e posicionamento quanto a divisão do Pará, está muito bem explanada nesta mensagem!

    ResponderExcluir
  7. RICARDO VASCONCELOS24 de novembro de 2011 16:19

    Verdadeiramente o governador Simão Jatene é um paraense que ama este imenso Estado, mais do que isso, ama o povo que nasceu aqui e os que foram acolhidos por nós "Papa chibe" . Não devemos deixar jamais que um grupo de aproveitadores que nem se quer nasceram aqui venham dividir nosso Pará vendendo um engoldo de melhoras para a população que já está cansada deste tipo de promessas. Tenho certeza de nossa vitória no 11 de DEZEMBRO é NÃO E NÃO!

    ResponderExcluir
  8. SIM, CALRO QUE SIM!! Ainda há tempo para mudar para o lado sensato da história de uma parte do Pará que clama por melhor Educação, Saúde, Rodovias entre outras necessidades... vamos Lá APERTEM O 77 E CLIQUEM EM CONFIRMA!

    ResponderExcluir
  9. Concordo com tudo o que disse o governador Jatene, Também sou a favor do NÃO. Lamento apenas que ele não coloque em prática a teoria de que ama o povo paraense. E quanto aos educadores que pleiteiam seus direitos e nem ao menos são recebidos para uma possível negociação? E o que está sendo feito para diminuir o tráfico de drogas, que leva nossos jovens para os rumos da marginalidade, colocando em risco a vida das pessoas que, com muito trabalho, conseguem adiquirir algum bem ou até mesmo um simples celular ou uma bicicleta???

    Governador, precisamos de medidas sérias e não apenas paleativas. Pense também na maioria da população, que precisa das ações do Estado, e não apenas na minoria, na elite, que já não precisa ficar mais rica do que já está!!!

    Agradeceria se meu comentário fosse postado!!!

    ResponderExcluir
  10. Iraunan de Lima Menezes24 de novembro de 2011 20:11

    Exmo Sr. Governador Simão Jatene,
    Creio que nós paraenses, esquecemos de fato do povo do interior, um povo que merece nosso respeito e consideração, um povo sofrido. Nós que vivemos aqui na cidade de Belém, muitas das vezes não sabemos realmente do sofrimento deles por não passarmos as dificuldades que eles passam, familiares morrendo por falta de atendimento médico ou por estarem tão distante de um ponto de apoio a saúde. Eu me pergunto: Se eu fosse o governador o que faria? - Eu respondo a mim mesmo: Não tenho como dar uma resposta lógica e correta para o assunto, pois não tenho conhecimento da administração estadual, mas, se eu pudesse, a primeira coisa a ser realizada seria aberturas de estradas e asfaltamento para os lugares estratégicos a manutenção da saúde e educação, falo de construção de escolas e postos de saúde, eles necessitam disto urgentemente. pois essa atitude facilitária a vidas deles, além de facilitar o escoamento de diversos produtos produzidos por eles, o que melhoraria a vida por lá, pois tendo acesso ao dinheiro, a vida deles melhoraria muito mais. Quanto a segurança pública, creio que a melhor maneira, seria o Sr. solicitar ao Exmo. Sr. Ministro da Defesa, apoio do Exercito e Fuzileiros na região do meio ou em todo Pará, além disto, existe vários militares que foram para a reserva muito novos e, que concerteza aceitariam um convite de Vossa. Exma. para trabelharem como objeto de informação ou auxilio a Policia Militar sem qualquer custo, claro que teriam de receber poder de policia, creio que esse assunto deveria ser estudado, desta forma o Pará teria muito mais policiais nas ruas inclusive no interior pra onde geralmente vão quando recebem a reserva. Desta forma Exmo. Sr. Governador, estaríamos ajudando cada vez mais a população. Boa sorte e que o Exmo. Sr. faça um excelente governo.

    Iraunan de Lima Menezes
    Tecnólogo em Informática

    ResponderExcluir
  11. Vote SIM 77. Para melhorar de vez.

    ResponderExcluir
  12. Apesar de ser contra o atual governo Jatene, gostei de suas palavras sabias, retificando apenas uma pauta de que o Pará não é só Belém e região metropolitana e sim um imenso Pará,a região sudeste é muito esquecida...uma região rica em todos os aspectos minerais...e ninguém olha pra essa parte do Pará tão rica....e esquecida sobre todas os aspectos, cito as estradas praticamente intrafegáveis isso é de governo pra governo entra e sai é a mesma novela...espero que o Não prevaleça...mais é bom retificar...que as pessoas interessadas em dividir não vão sossegar enquanto não conseguirem o que querem...há não ser que os governantes que entram e saem de suas cadeiras resolvam olhar pra esse povo tão sofrido e esquecido e façam algo de verdade...é isso ai....

    ResponderExcluir
  13. Uma coisa eu tenho certeza governador,a ferida já está feita independente do resultado,porque a incoerência é demais,o que eu tenho lido de ofenças a nossa cidade de belém e aos paraenses que aqui nasceram, já tem me ferido,tenho tentado ignorar mais é difícil,porque como cidadã paraense nascida e não vinda de outro estado,eu fico magoada c/ pessoas que nem nasceram aqui se sustentam do pará e dizem que nada presta ,chamam de Pará de merda,por esse motivo já existe uma guerra entre nós ainda que fria!Seja o que Deus quiser,porque ele sempre quer o melhor!Deus nos abençoe!

    ResponderExcluir
  14. realmente o pronunciamento foi muito bom assim nos dá mas força pra votar 55 e mas cidadãos vão ver que a união é melhor que a divisão

    ResponderExcluir
  15. Se divisão fosse solução, teríamos que dividir o mundo em várias micro-partículas... O nome disso é REBELDIA. VOTE 55!

    ResponderExcluir
  16. Tua batata tá assando Governador...Independente de quem ganhar, as coisas não serão as mesmas...Se o NÃO ganhar, o povo das regiões separatistas não vai lhe deixar dormir tranquilo, por isso sugiro ao senhor três coisas: trabalho, trabalho, trabalho...Se o SIM ganhar, a gente sofrida do litoral (do sal) e de Marajó vai querer também apenas três coisas: trabalho, trabalho, trabalho. Vê se para de ficar enfeitado as coisas com discursos ditos equilibrados, e mãos à obra... Nosso povo sempre esteve separado, mas não é culpada da ocupação incentivada pela ditadura, a culpa sempre foi dos governos ditadores dos últimos anos que generalizou o sentimento de insatisfação, de Norte ao Sul....

    ResponderExcluir
  17. Infelizmente não vou poder dar o meu voto,mas, faço minha as palavras do governador, fico muito triste em ver que o nosso estado nunca mais será o mesmo, gostria que o povo paraense levem em consideração a sua opinião não deixando que terceiros induzam o seu voto, levem em consideração o povo que vive afastado que na verdade nem sabe o por que desta votação, e verificase que tudo isso não passa de interesses politico.

    ResponderExcluir
  18. com certeza vc nao deve de ser paraense... paraense q eh paraense nao permitira jamais q nos tome o direito e o orgulho de termos a nossa estrela brilhando sempre... "imagine q vc seja casado a no minimo 20 anos e algem lhe segere a divisao da sua esposa... eh mais ou menos por ai"

    55

    ResponderExcluir
  19. thiago buarque (cirurgião dentista)25 de novembro de 2011 14:01

    muito fácil dizer que separando tudo melhora, o que diríamos a uma criança que é melhor seus pais se separarem, para que sua educação ou criação vai melhorar...
    politicas públicas existem cabe aos gestores municipais terem um melhor preparo academico ou profissional pra buscar recursos,politicas de saúde pública,educacionalo entre outras.Dizer que SIM, a culpa e do governo estadual que nao faz pelos municipios distantes é fácil e covarde.vote mulhor paras eleições municipais e cobre dos vereadores,prefeitos e dep.estaduais e federais.
    nascido em SP E CRIADO NO MEU ESTADO COLOSSAU DO PARÁ.

    ResponderExcluir
  20. reginaldo cardoso ferreira25 de novembro de 2011 18:48

    muito sabias palavras do gov.jatene nao e a primeira vez que estao fazendo querendo separar os paraenses o para e muito rico mais essa riquesa nao e recambiada aos paraenses todo foge das nossas maos os nossos politicos se vendem barato parece que nunca virao dinheiro na sua frente quando ve o olho creçe parece menino do buchao nos nao queremos divisao queremos vida diguina trabalho saude educaçao pro nosso povo sofrido que nosso gestores usem dessa riquesa do para e dar vida diquinidade aos paraenses e tenho dito nao e nao a divisao ATAIM ASSOCIAÇAO DOS TRABALHADORES E INFORMAIS DE MARITUBA

    ResponderExcluir
  21. Parabens, Governador Jatene, por suas palavras sensatas. Não queremos a divisão e isto já esta claro pera o povo do Pará. Esteja ele na capital ou no interior. Agora governador, fica também claro a necessidade de investir em todo o estado, principalmente nestas regiões com grande potencial turistico, mineral e outras mais a serem exploradas em benéficios de todos.
    Precisamos dizer aos oportunistas, que se é para dividir, para promover crescimento, porque então, não dividir o Brasil. Tendo em vista que a região Norte anda esquecida, por parte do governo federal.
    Diga Não a divisão do Pará.

    ResponderExcluir
  22. Em poucas palavras explicou, e até um pouco tecnicamente, o que muitos de nós já sabíamos, a divisão favorecerá apenas os grupos políticos daquelas regiões. A população e seus problemas ficarão na mesma, uma vez que não há nada de concreto em relação as receitas pois o que existe é um cenário de incertezas. Aproveitando o espaço, não seria este um bom o momento de começarmos a pensar numa possível mudança da Capital Administrativa do nosso Estado para um ponto mas centralizado do Pará? Altamira talvez fosse um ponto estratégico. Belém continuaria sendo importante no cenário Politico do Estado, com os grandes eventos acontecendo aqui, mas agora o que se faz necessário é o poder central se aproximar de todas as regiões. Isto aconteceu a cinquenta anos quando JK transferiu do Rio para Brasilia a capital do Brasil, um bom exemplo para o nosso estado de dimensões continentais.

    ResponderExcluir
  23. Bruno José Ferreira da Silva26 de novembro de 2011 18:10

    Exmo. Governador Simão Jatene, apesar de minha tristeza com vossa excelência devido à forma desrespeitosa como tratou a categoria dos professores, a qual faço parte, no que se refere à questão do piso salarial, tenho que parabenizá-lo pela sensatez e coerência com que tratou este tema tão complicado que é a divisão ou não de nosso amado estado. Infelizmente muito de nossos irmãos das cidades do interior estão sendo manipulados por políticos e empresários que tem grande interesse na divisão de nosso estado. Agora, é fato que há, com muita urgência, a necessidade de ações mais efetivas nas diferentes regiões e cidades de nosso amado estado do Pará.

    ResponderExcluir
  24. Será? É verdade ou é mais um defedendo sua fatia nesse queijo?

    ResponderExcluir
  25. Estes governos que administram este estado, não dão conta nem da capital, imaginem senhores do interior, dizem que iremos perder nosso ouro pois de ouro não temos nada, todos nós pagamos nossos impostos, ai de quem não pague.
    Eu de forma alguma acredito em políticos, quando pela única vez procurei um político destes, não fui atendido pois o tal político mando que outra pessoa me atendesse, e esta pessoa quis me estorqui! Tal vez o estado sendo menor alguém dê conta de arrumar.

    ResponderExcluir
  26. Grande governador, disse tudo, apesar de não morar no Pará, mas sou paraense e sei que essa divisão não vai favorecer a ninguém a não ser os políticos. Espero que esse pronunciamento chegue a todos pra saberem que o governador do Pará é lucido e UM PARAENSE NATO. Obrigada grande governador Jatene, tem a minha admiração!
    Vamos fazer circular esse pronunciamento.

    ResponderExcluir
  27. Acredito que como em qualquer eleição, podemos errar e reconhecer nosso erro e tentar mudar. No caso de plebiscito, se estivermos errados , não tem como voltar atras! Moro em Oriximiná, no Oeste do Pará, e tenho muito orgulho de ser paraense. Já vi muito políticos da Capital e de outras cidades prometerem e prometerem, mas nós continuamos esquecidos. O que nós queremos é ATENÇÃO, MELHORIAS NA SAÚDE, NA EDUCAÇÃO, NAS MALHAS VIÁRIAS. Queremos que os nossos irmãos de Castanhal, de Belém, de Capitão Poço, de Belterra, de Curuá, de Terra Santa, sem preocupem e deem as mãos para os irmãos de Santarém, Altamira, Tucuruí, Marabá, Faro, Gurupá, Igarapé Mirim, Oriximiná... Queremos o que for melhor para o povo...

    ResponderExcluir
  28. Brilhante mensagem, só lamento ela não ter sido exposta a todos!

    ResponderExcluir
  29. Parabéns governador, sabias palavras, como sempre. Acredito na vitoria do povo do Para, acredito no sentimento de orgulho que cada um de nos tem de pertencer a esta terra e principalmente acredito que a maioria do nosso povo não vai se deixar enganar. NAO NÃO NÃO.

    ResponderExcluir
  30. Caro Governador,

    A ferida realmente está aberta, pois este plebiscito, por sí só, já é uma ferida. O resto fica por conta da condução das campanhas prós e contra que, a cada dia que passa, aumentam as mágoas, ressentimentos e desconfianças no coração dos Paraenses. Entretanto, uma coisa é certa, a idéia da divisão territorial do Estado vem, de um lado, da cabeça de políticos que querem chegar ao poder máximo do Estado pelo lado considerado "mais fácil" e, de outro lado, de pessoas que interessadas apenas nos dividendos financeiros. Felizmente tais idéias contaminam somente essas pessoas, quando muito, alguns poucos "paraenses" por adoção (na maioria por falta de opção). Por isso Governador, após a grande vitória do NÃO produza os anticorpos necessários à cura das feridas abertas através de um excelente governo para o Pará 100%,

    ResponderExcluir
  31. também temos que vê a ingerência do poder público na região

    ResponderExcluir
  32. Eu nesse momento, não queria viver o que o senhor está vivendo, pois isso é um assunto muito melindroso, mas que todos nós devemos gerílo com a preocupação de não sermos enganados pela emoção, mas agirmos racionalmente, pois muito há o que ser feito pelos nossos irmãos paraenses dessa região. Temos que integralizar os territórios do Pará. Já que não foi possível podemos ter essa amarga experiência da divisão.

    Eloi Araujo: estudante de geologia na UFPA

    ResponderExcluir
  33. leonardo pereira da silva29 de novembro de 2011 07:52

    concordo com as palavras do governador (diga não e naõ)

    ResponderExcluir
  34. Achando que dividindo o Pará os direitos básico seriam posto em primeiro lugar?Não adiantaria, pois não é a divisão a solução dos problemas e sim a pessoa que ia governar, nem todos que chegam nesse poder tem amor pela cidade ou estado que irião atuar. Só mas um, como alguns que são eleitos e enchem os bolsos de dinheiro; desviados da: saúde, educação, sgurança... Eu voto não, sabemos que o Pará é imenso e cada cidade tem seu representante e os mesmos não fazem seu papel.
    Mesmo assim achas que a divisão é a solução?

    ResponderExcluir
  35. Vocêdisse tudo! Certa vez quando fui a S.P um professor de história e geografia me disse: " o Pará é o c* do Brasil ". Virei e disse: sou paraense e se não me falhe a memoria, o globo terrestre se não mudou até o momento que acordei o Pará que tá em cima na posição do globo e vocês tão aonde mesmo... Ah! lá em baixo... . Quem é o c*?

    ResponderExcluir
  36. Se o governador soubesse o quanto o admiro como lider de nosso Estado! Sou sua fã governador! Meu voto é Não.

    ResponderExcluir
  37. O que deveriamos fazer apos o Plebicito era promover uma grande campanha contra esses caras que querem dividir nosso Estado, mais o pior de tudo que eles virão concorrer nas próximas eleições e o povo já vai ter esquecido isso e vão acabar reelegendo eles novamente.

    ResponderExcluir
  38. Seria interessante que divisem também sua familia onde vc não pudesse ver seus parentes, então vc iria gostar disso? pense nisso, não dividindo que se resolverá nosso problemas.

    ResponderExcluir
  39. O povo do Pará temos que mostrar pra essa meia duzia de forasteiro que vieram de seus Estado sabe lá Deus por que, foram bem recebidos aqui por que somos acolhedor, ficaram ricos aqui e vivem do nosso dinheiro que afinal de contas quem paga os salarios desses Dep. somos nós e agora em vez de nos dá soluções para ajudar o povo promovem essa palhaçada e depois ainda vão querer se reeleger será que vamos deixar eles continuarem no nosso Pará? como bem diz o Ditado popular " os incomodados que se mudem" já que eles tão se incomodo e não ajudando oque fazem nas nossas terra.

    ResponderExcluir
  40. Filomena de Freitas30 de novembro de 2011 04:02

    Parabéns ao Nosso Governador!Ao Governador do Estado do Pará. Foram sábias as suas palavras mas quem planta a desunião entre os Paraenses é a turma do Não. Eles não aceitam de maneira alguma o debate, a democracia , a tentativa de achar uma saída para os problemas que a população que mora no Interior sente na própria carne. Sim, dividindo o Estado talvez não seja a saída para solução dos problemas mas como todos nós sabemos é difícil encontra-la.A maioria é contra a divisão mas ninguém apresenta um projeto que traga esperança de qualidade de vida à estas pessoas que defendem o SIM.

    ResponderExcluir
  41. Prezado Governador! O Senhor soube mandar seu recado. Digo que sou Paraense mas poderia ser carioca,mineiro,paulista, goiano etc seria brasileiro do mesmo jeito. Moro na capital paraense e estou muito bem obrigada. Aqui tenho hospital, posso tirar documentos e receber no mesmo dia. Bebo água potável, tenho luz em minha casa durante o dia e noite. Posso ir à São Luiz capital do Maranhão viajando pela estrada rodoviária chego lá em 7:00hs em meu carro e sinto muito por não ter a mínima vontade em conhecer o Interior do Estado do Pará devido às estradas mal acabadas, se eu passar mal por algum motivo de saúde posso morrer por falta de médico especialista,hoteis sem o mínimo de conforto na maioria das cidades e ainda com valor de diária pelo peço de um hotel 4 estrelas das grandes cidades do Nordeste. O que deveria mesmo meu Ilustr Governador seria vigilancia por parte dos Tribunais de Contas principalmente dos Municípios para que o dinheiro público pudesse beneficiar a população mas que na maioria das vezes ficam no bolso dos Prefeitos. Falta apenas fiscalização por parte das autoridades competentes. Só isso. Mas eu voto NÃO porque problema é dels que moram lá. Eu não tenho nada a haver com eles. Cabe ao Governador do Estados, Deputados principalmente aos que são contra à Divisão que encontrem uma saída para fazer jus aos votos que receberam.

    ResponderExcluir
  42. Não se deve levar em consideração o que "esse cara" pronuncia...
    Ele deveria ficar neutro na história toda

    e depois, se existe uma grande parcela do estado a Favor da divisão (77) a culpa não deixa de ser do Sr Simão Jatene.
    Afinal contas ele é um dos que promete e não cumpre
    já que o Sr é o mister fodão e tem sempre grandes argumentos na manga
    Tenha pelo menos a deiscência de ir na comunidade da campanha do Sim, pegue todas as fotos (as que estão sendo compartilhadas - Buracos, falta de asfalto e inexistência de pontes) que mostram uma grande parte do Pará em situações tristes e exponha o que o Sr já está fazendo (afinal de contas já deve ter um projeto né?) para com cada situação.


    Duvido muito você fazer sabe porque?
    Porque o Sr não está fazendo (nem deve existir o projeto) absolutamente NADA!

    o 77 seria uma chance para aquele povo que o Sr esquece, e tu ainda vem com esse PAPO FURADO.

    TENHO CERTEZA ABSOLUTA QUE SE O SR SIMÃO JATENE ESTIVESSE FAZENDO GRADES "REVOLUÇÕES"(EDUCAÇÃO, HOSPITAL, ASFALTO) NO ESTADO O 77 NÃO ESTARIA TÃO FORTE A PONTO DE CAUSAR MEDO EM VOCÊ

    ResponderExcluir
  43. Stélio Mauro Santos de Almeida30 de novembro de 2011 10:05

    Governador, gostei do seu pronuciamento. Parabéns.

    ResponderExcluir
  44. Concordo. O Pará nunca mais será o mesmo. O interior vai se ressentir da vitória do Não. Cabe articular políticas que mostrem claramente ao interior a sinalização de que o governo estadual entendeu o recado e está voltado para eles. Pois enquanto os políticos querem os novos cargos que seriam criados, a população só quer apoio. A única maneira de evitar que o Pará se divida de fato é atender a estes anseios.

    ResponderExcluir
  45. Não é Não, pra que dividir para gerar mais políticos que só pensão em si e seus bolsos, vamos entrar no congresso com uma proposta para reanexar o Amapá ao Pará, ou então vamos juntar todos os estados do norte para fazer um super estado, ai com o PIB maior poderíamos gerenciar toda a extensão do novo estado, ai teríamos menos políticos para usufruir da benesses do governo e todos com orgulho seriamos nortistas. Eu tenho um ótimo projeto " Um político só poderia ficar em um cargo público ( governador, senador, deputado, prefeito e vereador) por 6 anos não podendo ser candidato a nada, após isso seria inelegível pois cumpriu com seu dever cívico, assim como seus filhos e parentes diretos, dando assim chances a novos administradores e ideias, e que mostrasse anualmente e publicamente aonde foi investido os valores.

    Evidente que ninguém faria nada disso, pois político não quer perder seu quinhão, muito menos dividir, não pense que a turma do Sim e do Não, não estão pensando neles, pois só estão. quem deveria estar na frente seriam sociedades de classe, estudiosos, economistas e gente com opinião séria, o que não aparece, apenas quatro palhaços na Tv brincando de debate, sem dizer o impacto real que a separação vai causar e um Governador em cima do muro que não quer se indispor com o povo. Meu povo pobre não se preocupe, pois com divisão ou sem divisão você vai continuar sem saúde sem educação e transporte caro e ruim, pois quem tem dinheiro tem tudo particular, principalmente os políticos.

    Caros amigos do estado do Carajás e estado do Tapajós, infelizmente vocês não vão ser estado, pois a maior parte da população esta em Belém e região metropolitana e eles vão dizer não, mais não fiquem com raiva de nós, pois a culpa é porque ninguém teve capacidade explicar pra população os prós e os contras da separação, e sim trabalharam só em sentimentalismo de ter um grande estado, e como político é sinônimo de ladrão, ninguém acreditou em nada, apenas que iam roubar os tesouros do Estado do Pará que ninguém usufrui de nada por isso, apenas pagamos os maiores valores de ICMS e ISS do país, enquanto as mineradoras não pagam nada e nem exportam pelos nossos portos, pagamos uma energia mais cara enquanto no nordeste eles pagam menos pela energia gerada pelo nosso grande estado do Pará. Realmente não sei aonde estão indo as riquezas do nosso grande estado Pará.

    ResponderExcluir
  46. Gostaria de dar os meus parabéns ao governador por suas sábias palavras e excelente texto.
    Eu fico muito envergonhado da forma com que as pessoas que querem a divisão do Pará s comportam. Um discurso que busca agredir, criar animosidades entre irmãos, busca iludir o povo menos esclarecido com números e fatos sem qualquer respaldo técnico-cientifico. Sem um projeto delimitado e realista baseado em números. Fico muito indignado quando as pessoas por falta de argumentos partem para um discurso vazio, fora da realidade e agressivo.
    Não aguento também, ver pessoas que foram recebidas de braços abertos em nosso estado e que se beneficiaram das oportunidades que este estado oferece a todos, quererem agora separar para beneficio próprio criando um clima de quase guerra civil que vai perdurar por muito tempo em nossa sociedade.
    Fico m perguntando o seguinte: "Por que esses não Paraenses que estão tão infelizes e insatisfeitos como o Pará não arrumam suas malas e voltam para os seus estados?? onde provavelmente deverão ser bem-vindos e devem ter mais oportunidades do que têm no Pará?" ou "Por que quem eles não estão brigando por melhorias no Pará por meio de projetos e ações que busquem cobrar do governo do estado maiores beneficios para essas regiões? uma luta justa e digna que contenha propostas fundamentadas em números e não em fantasias ou empirismo?'. O fato é que essas pessoas são amadoras e até certo ponto babaras que s pudessem começariam uma guerra civil para separar o estado jogando irmãos contra irmãos só para verem os seus interesses garantidos. Não falo do povo sem instrução e facilmente manipulável. Falo das cabeças que estão utilizando a falta de conhecimento da maioria da população mais humilde ou jovens iludidos sem leitura de mundo para criar o seu circo.
    Espero que o melhor seja feito para o nosso povo e que essas pessoas que
    estão tentando incutir na cabeça de nossa gente ao final do processo caso seja decidido pela NÃO separação do estado, peguem suas coisas e voltem para os seus estados como forma de protesto e vergonha na cara.
    Como li em uma depoimento aqui neste site. Que tal esses pessoas que buscam a separação dividirem suas terras e seus bens como o povo simples para melhorar a vida de sua comunidade? que tal essas pessoas que são milionárias ajudarem a região tirando de seus bolsos um pouco de dinheiro para construir uma escola e doar para o governo do estado?ou reformar e equipar uma escola do estado? ou ajudar doando equipamentos para os hospitais de seus municípios?Por que não o fazem? Sei que isso é papel do poder público, mas quem quer realmente ajudar o povo e melhorar a vida em sua região o faz indiferentemente de quem deveria ou deve fazer. Eles não o fazem pelo simples motivo de não darem a minima para o povo sofrido de nosso estado, e só s preocuparem como os seus umbigos. Isso pra mim é lamentável! é uma vergonha!

    ResponderExcluir
  47. Por que, mesmo lendo, você não fala isso na Televisão SENHOR GOVERNADOR?

    ResponderExcluir
  48. O que primeiro me chamou a atenção foi a faixa ostentada pelo Governador, ora o que isso quer dizer? Entendo que todo aquele que recebeu do povo a honraria de ostentar essa faixa - que representa o Estado - tem que ter acima de tudo, em quaisquer que sejam as condições, ou circunstância, Responsabilidade! Respeito! Governança!, ora senhor Governador, com todo o respeito devido ao cargo, é de conhecimento público que se o Estado do Pará está sendo estraçalhado, rasgado, implodido, a responsabilidade única é de SEUS GOVERNANTES, que ao longo do tempo, deixaram as coisas acontecerem sem se importarem com isso!!!, por mais de quarenta anos (esse é que vivenciei e vi) a população interiorana sofre de todos os males que possam existir, desde suas necessidades básicas como, educação, saúde, transporte, saneamento básico, falte de oportunidade de trabalho, e quando consegue um emprego é mal remunerado!, ora um dia a bomba estoura e estourou!!! e agora o que fazer, em sou PARAENSE COM MUITO ORGULHO, não moro Pará há muito tempo, mas, sempre que dá sempre vou à Belém, no mínimo duas vezes por ano. O amor que se têm pela terra da gente, só se compara ao amor que tem se tem pela mãe, pelo pai, e por nossos filhos, e penso que tambem pense assim, dói muito saber que estamos correndo um sério de ver o nosso PARÁ ser dividido; o que será um caos, pois não será apenas dividido, ficará despedaçado, implodido e como diz o caboclo, lascado. Creio que não haja mais tempo para reverter a situação.É claro que esse acontecimento não é responsabilidade apenas de um mandato de governo, muito menos quero dizer que é do Governante atual, seria uma falta de censo, maldade, e desrespeito para com o Governador. Com muita fé peço a DEUS que não acenteça esse desasrtre. Todavia, se não houver está partição (iníqua, horrenda e tenebrosa), esta será uma grande oportunidade para reflexão para GOVERNANTES se redimerem, olhando melhor para uma população mais desastida, e que façam esforços, até mesmo sacrifícios, para levar à todos aquele que moram em plagas mais distantes (interiores como Conceição do Araguaia e adjacencia, municípios de baixo Amazonas, da região das ilhas e principalmente daqueles que se encontrem nas áreas previstas para os pretensos futuros Estados Tapajós e Carajás, o atendimento de seus anseios, que satisfaça o mínimo de dignidade, com serviços como, educação de qualidade, assistência médica decente, um mínimo de saneamento, como água tratada e esgoto sanitário (ainda que precário, tipo fossa seca), O espaço é pequeno para dizer de minha indignação pelo que está acontecendo (a repartição daquilo que não lhes pertence, feitas por oportunistas de plantão, UMA VERGONHA) mas, creio, no elevado espírito público que DEVE NORTEAR TODO GOVERNANTE, e principalmente no seu que é o que está no cargo de mandatário, e que fique a lição para os demais que virão, não estamos mais nos tempos dos reinados de França, onde uma estúpida rainha que, desconhendo o que se passava com povo (maltrapilho, com fome e com impostos escorchantes à pagar) ao chegar aos do rei de que o povo não tinha pão para comer! ela - e aqui me pergunto, não sei se pura estupidez ou por sarcástica ironia - diz ao seu ministro: "Ora, se tem pão dá-lhes brioches!!! DEUS SALVE O PARÁ DE SEUS MALFEITORES E OPORTUNISTA QUE DESAJAM A DIVISÃO APENAS EM BENEFÍCIO PRÓPRIO, Obrigado Senhor - AMÉM.

    ResponderExcluir
  49. esse povo tudo egoista nao pensam na gente aqui eu moro numa cidade pequena agente aqui nescita de ajuda vcs sao tudo ruim para pra rensar ta egoistas a dira paes fafa de belém paulo henric ganso e jatene sao tudo ruim vcs tao com medo de perdeer a grana egoistas

    ResponderExcluir
  50. Hoje me sinto envergonhado de ser paraense.senhor governador não queremos ser mais escravo do para queremos nossa liberdade sou de Santarém e queremos andar com nossapropias pernas não queremos depender da banda podre de políticos de Belém hoje moro no para mas me sinto envergonhado de ser paraense e bom que setor comece a dar mas atenção ao povo do oeste do para senão e bom que o senhor numca mas coloque seus pés neste local para não e só Belém se não ouvir mudanças faremos manifestações em praças e levarmos ao conhecimento de todos os brasileiros como o governador trata sua gente

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

stats

redes

    

Blog do médico paraense Waldir Cardoso dedicado a discutir sobre saúde, política e cidadania. Seja bem vindo/a

Vídeos

Vídeos

Waldir e Saúde no Brasil vídeo

Vídeos

Arquivo

Arquivo

Busca

Busca
Tecnologia do Blogger.

Categorias

Categorias

Estatísticas

Estatísticas

Contador

Contador de visitas

clustrmaps