terça-feira, 4 de junho de 2013

Propostas para se fazer boa medicina no Brasil

As entidades médicas reconhecem a importância de estender atendimento de qualidade às populações historicamente esquecidas, que vivem nos pequenos municípios da Amazônia, do Nordeste e do Centro-Oeste, assim como aos moradores das periferias dos grandes centros. Mas como resolver essa pendência?
Para o Governo, a solução foi simplificada à presença de um médico num posto de saúde. Esse entendimento assume proporção ainda grave quando ele propõe importar médicos estrangeiros sem revalidação de títulos para ocupar os espaços vazios nos rincões do país. Ao trilhar esse caminho, o Governo fere as normas legais, desvaloriza os profissionais nacionais e, sobretudo, coloca a vida de milhões de brasileiros em situação de risco.
Argumenta-se de que onde há carência total de profissionais, "alguém" com um mínimo de conhecimento faz a diferença. O problema é que esse alguém - na tentativa de fazer a coisa certa - pode diagnosticar errado, prescrever de forma inadequada, retardar tratamentos, induzir a práticas errôneas e, em última análise, ceifar vidas ou arruinar para sempre a saúde dos seus "pacientes".
O que se espera é que estes candidatos ao exercício da Medicina em território brasileiro passem por exames de revalidação de títulos para medir com régua criteriosa o seu nível de conhecimento. Já temos instrumento para isso: o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida), criado pelo próprio Governo, em 2010.
Reclama-se de que é difícil demais. Contesto tais afirmações. O exame é preparado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), ligado ao Ministério da Educação, de forma autônoma e idoneidade. Ressalte-se que os Conselhos de Medicina não tomam parte desse processo, apenas o acompanham.
Se o candidato não passa, é porque não está preparado. Se não está preparado, deveria atender entre os mais carentes, com menor poder de critica, ou estudar para outro exame em cursos e nos livros? A que custo e a quem cabe a responsabilidade pelos erros depois de feitos?
Os Conselhos de Medicina não são contra a vinda dos médicos estrangeiros. Que venham seis mil ou mais. No entanto, que todos sejam aprovados em exames justos, como o Revalida, sem concessões. É assim que acontece na Inglaterra, nos Estados Unidos, em Portugal, no Canadá, que encontraram o caminho do desenvolvimento econômico e social.
Certamente, a crise assistencial é urgente e, portanto, exige medidas igualmente urgentes. Inclusive, as entidades estão dispostas a negociar termos para que o trabalho do médico se realize nestes locais, mas tendo como pressuposto a transitoriedade dessas alternativas. Há poucos dias, o Conselho Federal de Medicina (CFM) entregou ao Palácio do Planalto um plano de ação, com o qual podemos vislumbrar soluções para os impasses identificados.
A principal proposta – de efeito imediato – foca na oferta da oportunidade e estímulo aos médicos formados no Brasil para ocupação dos postos de trabalho existentes nas áreas de difícil provimento. Esse seria o âmago do Programa Nacional de Interiorização da Medicina, que supriria a carência, especialmente, dos municípios sem médicos ou com populações de até 50 mil habitantes.
Muito se fala da resistência do médico em se instalar nos vazios assistenciais. Não é verdade. Se houver oportunidades sólidas, com todo o aparato necessário para que o trabalho se realize, milhares se apresentarão. Enquanto vigorar essa alternativa temporária , o Governo teria tempo para construir e implementar carreira federal de Estado para o médico do Sistema Único de Saúde (SUS), esta, sim, uma resposta definitiva para a fixação dos profissionais nas áreas de difícil provimento.
Onde há condições de trabalho existem médicos, onde não há essas condições, não existem médicos. Ressaltamos mais uma vez nossa incompreensão da tese de que a simples alocação do médico em um determinado município tornará a população assistida. Para que este benefício seja oferecido com efetividade e eficácia, é necessário interiorizar o sistema de saúde, no qual o médico é um integrante importante, mas não suficiente para que os resultados ocorram.
Certamente, essa aposta implica em maior investimento em saúde, com alocação de recursos na proporção necessária à demanda para bem assistir a população. Diante de tamanho desafio, os Conselhos de Medicina querem colaborar com esse processo de forma ativa e estão abertos ao diálogo para dotar o país de médicos competentes, comprometidos, bem preparados e estimulados a cumprir sua missão de levar o bem estar e salvar vidas.

Roberto D ´Avila é Cardiologista e presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM)

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

stats

redes

    

Blog do médico paraense Waldir Cardoso dedicado a discutir sobre saúde, política e cidadania. Seja bem vindo/a

Vídeos

Vídeos

Waldir e Saúde no Brasil vídeo

Vídeos

Arquivo

Arquivo

Busca

Busca
Tecnologia do Blogger.

Categorias

Categorias

Estatísticas

Estatísticas

Contador

Contador de visitas

clustrmaps