terça-feira, 23 de julho de 2013

Carta dos médicos aos brasileiros

Os médicos brasileiros, enfrentamos o maior ataque a nossa imagem e dignidade já perpetrados por qualquer governo em todos os tempos. Nunca fomos tão desrespeitados. Ao mesmo tempo a medicina brasileira nunca esteve tão ameaçada. O Sistema Único de Saúde (SUS), tão perfeito no papel, pode estar condenado a nunca se tornar realidade de acordo com a Constituição e a Lei 8080. E, principalmente, tão em risco a assistência médica da população. Esta agressão teve o efeito de nos unir. De norte a sul estamos indignados. E vamos à ação.

O que o governo Dilma quer, com o Programa Mais Médicos do jeito que está, é acabar com a garantia de que, uma parte da população, quando doente, seja atendida por médicos qualificados. Como há escassez de médicos no interior do país, principalmente, no Norte e Nordeste, quer trazer médicos do exterior sem atestar sua qualificação. E pior, se recusam a garantir que os médicos brasileiros que aceitarem a proposta do governo de ir para o interior tenham condições de trabalho para prestar atendimento digno à população.

O governo usa de sua máquina de comunicação para iludir os brasileiros. Tem, nesta tarefa, o apoio, de prefeitos e maus gestores de saúde. Para estes, basta jogar o médico, no interior, de qualquer jeito. Assim, darão uma satisfação ao povo e a Dilma se reelege em 2014.

Para vencer esta máquina milionária de propaganda, que usa o nosso dinheiro para seus objetivo eleitoreiros, a arma está em nossas mãos. Atendemos, diariamente, milhões de pacientes em todo território nacional. Temos que conversar com cada doente que atendermos. Com seus acompanhantes. Esclarece-los.

Para auxiliar nesta tarefa o Comitê Nacional de Mobilização elaborou a carta abaixo para ser copiada e entregue aos nossos pacientes. Cada médico pode baixar o arquivo e copiar diretamente do seu computador. E entregar ao seu paciente após cada consulta e nos hospitais. Cada um fazendo a sua parte venceremos esta guerra. Juntos, somos fortes! 

Baixe o arquivo, com a carta, AQUI. Abaixo, o texto completo.




6 comentários:

  1. Esplêndido, bravo; pode contar comigo. Só uma correção, nós somos 400.000 médicos e todos com família e amigos, porque não envolve-los. Vamos mostrar à nossa força, mas para isso é preciso que todos participem, pois é a nossa dignidade que está sendo aviltada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida. Dia 29, terça, temos assembleia no Sindicato para discutir as nossas ações. Compareça. Juntos somos fortes.

      Excluir
  2. Até parece que tudo começou com Dilma... Pena as organizações médicas terem cedido ao burocratismo e deixado de lado o efetivo exercício de um papel proativo, não circunstancial e sustentado, que melhorasse e fortalecesse o modelo do sistema público de saúde brasileiro. Até agora só vi barulho, choro e ranger de dentes na atual crise, em que a tônica é a tolerância à oratórias que buscam sempre a desmoralização do SUS, em que a saída sempre é pelo interesse setorizado. Pode se reclamar do governo federal, mas deve-se reconhecer que não é demérito buscar a garantia de recursos assistenciais, no caso em tela, pela provimento de pessoal onde esses recursos não existem ou são insuficientes. O que desconcerta é o solilóquio profissional, temperado com uma ensimesmada dicção conservadora que reduz a agenda a mera proteção de mercado profissional, juntando num embrulho só o que é público e o que é de interesse privado. Concordo com o que dizem os orientais, quanto a toda crise ser portadora de oportunidades. Entretanto, o modo como se constroem essas oportunidades é que faz toda a diferença. É o caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso papel é ativo em defesa do SUS efetivo. Com médicos na equipe multiprofissional. Médicos para, na equipe multiprofissional, insisto, tratar as doenças. E levar para o interior médicos de forma sustentável e estruturante. Aqui o interesse é público, por que no privado não há risco de não ter médicos na equipe multiprofissional.

      Excluir
  3. E ainda mais. Além de usar a máquina pública (algo muito comum nesse governo) para propaganda e mentiras na TV e jornais, temos que buscar um grupo que trabalhe na internet. Sabe-se que essas aves de rapina PAGAM para que determinadas pessoas entrem nas redes sociais, nos comentários de notícias dos sites, nos sites de jornais, etc, para comentar como um "cidadão comum" a retórica governista surrada e que só convence os pouco esclarecidos. E com isso, esconder a VERDADE:falta maior investimento, falta o dinheiro CHEGAR onde deveria chegar (e não, digamos, "se perder no caminho"), falta COMPETÊNCIA (gestores) e falta tratar o médico como PROFISSIONAL vital para sociedade e não como "quebrador de galho" dos que querem APENAS estar no poder e se lixam para a população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos uma grande brigada nas redes sociais. Espontânea. E vamos trabalhar muto para derrotá-los neste projeto e em 2014.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

stats

redes

    

Blog do médico paraense Waldir Cardoso dedicado a discutir sobre saúde, política e cidadania. Seja bem vindo/a

Vídeos

Vídeos

Waldir e Saúde no Brasil vídeo

Vídeos

Arquivo

Arquivo

Busca

Busca
Tecnologia do Blogger.

Categorias

Categorias

Estatísticas

Estatísticas

Contador

Contador de visitas

clustrmaps